Chegada de Neymar o fez deixar o PSG; agora ele é o garçom da maior surpresa do Espanhol

ESPN.com.br
Getty
Gonçalo Guedes, emprestado pelo PSG, é um dos destaques do Valencia
Gonçalo Guedes, emprestado pelo PSG, é um dos destaques do Valencia

No início de 2017, o PSG contratou Gonçalo Guedes, por 30 milhões de euros (112 milhões na cotação atual), cercado de expectativa. O português ex-Benfica, de 20 anos, porém, não conseguiu se firmar no futebol francês e acabou emprestado ao Valencia depois da chegada do brasileiro Neymar.

O negócio, que tinha como prioridade aliviar a folha salarial da equipe de Paris, hoje é uma das explicações por trás de uma das sensações do Campeonato Espanhol 2017/18.

No Valencia, Guedes, enfim, mostra o futebol de alto nível que não conseguiu apresentar na França e é o grande garçom do clube que é vice-líder de LaLiga, a frente de Real Madrid e Atlético e atrás apenas do primeiro colocado Barcelona – com quatro pontos de diferença (22 a 18).

Com aparição em seis das oito partidas do Valencia até aqui na competição, o português marcou um gol e distribuiu quatro assistências. Um de seus companheiros, Carlos Soler, até tem o mesmo número de passes para tentos, mas com participação em todos os jogos do Espanhol.

As médias de Guedes, aliás, são superiores a qualquer rival entre os maiores “garçons” da liga. O português, por exemplo, deu 238 toques na bola no campeonato, o que significa que ele deu um passe para gol a cada 59,5 vezes que teve a pelota no pé.

Fora isso, 10 chances para que companheiros finalizassem, ou uma a cada 23,8 toques. Nenhum outro dos principais assistentes do Espanhol tem números similares.

Assista aos melhores momentos da vitória do Valencia sobre o Real Betis por 6 a 3!

Andrés Guardado, do Bétis, por exemplo, é o líder de assistências de LaLiga, com seis. O mexicano, contudo, já deu 469 toques na bola em oito partidas, uma média de um passe para gol a cada 78,1 vezes que detém a posse. Em chances criadas, foram 17, mas precisando de 27,5 toques para isso.

O dinamarquês Pione Sisto, do Celta, também tem mais assistências que Guedes, com cinco, mas precisou de 67,6 toques na bola em média para cada uma.

Hofman vê mudança em Neymar desde que foi ao PSG: 'Está, sim, mais individualista'

Guedes foi contratado pelo PSG depois de se destacar com a camisa do Benfica, clube que o revelou. Em seus primeiros meses na França, porém, foram apenas 13 jogos (com dois em 2017/18), sem nenhum gol marcado. No total, somou apenas 293 minutos em campo.

Com a operação feita para tirar Neymar do Barcelona, o PSG se viu na necessidade de diminuir seus gastos com futebol e, com Guedes, aliou à necessidade de oferecê-lo mais minutos em campo. Pelo início no Valencia, ao menos, o negócio parece ter agradado a todos.